domingo, 28 de novembro de 2010

Pausa forçada!

Meus queridos leitores: Peço perdão pela minha ausência aqui no Sacundin! É que o bicho ta pegando, to numa correria lascada! O que não é de todo ruim pois são coisas boas que estão acontecendo, bastante trabalho, final de curso, provas e etc etc etc. Como temos que escolher, tive que abrir mão das atualizações freqüentes, mas já já to de volta é só sobrar um tempinho que volto a tona.

Abraços a todos e vamo que vamo que o som da vida não pode parar!!!


Marcel Cruz

domingo, 31 de outubro de 2010

Paulinho Da Viola - Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida

Eu realmente não lembro de quando comecei a gostar de Paulinho da Viola, mas lembro claramente qual foi o primeiro disco dele que comprei. E o interessante é que cheguei até esse álbum depois de ouvir a versão dos Ambitious Lovers - duo formado por Arto Lindsay e Peter Sherer em meados da década de 80 - de "Para Não Contrariar Você", chapei e achei a música excelente já de cara, como todo curioso fui atrás de saber de quem e de quando era aquilo. Quando descobri e ouvi a versão de Paulinho aí tive overdose! É uma das melhores e de lambuja tem o arranjo do Maestro Gaya, muito bom!

A música fazia parte do clássico "Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida" um dos álbuns mais emblemáticos de Paulinho e que foi lançado em 1970.

Em 1969 Paulinho foi o vencedor do V e derradeiro festival de MPB da Record e na ocasião lançou um compacto que além da música vencedora - a mais sutil e impactante música de protesto - "Sinal Fechado" continha mais três composições, duas fariam parte do álbum que viria, ou seja, o compacto além de divulgar a música do festival também serviu como uma prévia do elepê que viria.

O elepê é composto por 11 faixas, quatro das músicas contidas no álbum se tornaram clássicas, não só do samba como da música brasileira de uma maneira geral, tais como: "O Meu Pecado" composta por Zé Ketti, "Foi um rio que passou em minha vida", "Tudo Se Transformou" e "Jurar Com Lágrimas" de Paulinho. Diferentemente do primeiro álbum, nesse Paulinho assina a autoria de 9 das faixas, os outros que assinam são Mauro Duarte (Lamentação) e o já citado Zé Ketti. Na edição em CD foi acrescentada mais duas faixas que saíram apenas no compacto citado acima "Ruas que sonhei" e "Sinal Fechado".

Quanto ao grupo que acompanha Paulinho nada temos de informação, a única informação contida na ficha técnica do volume é relacionada a direção musical de Lyrio Panicali e aos arranjos do Maestro Gaya. No site diz que teve participação do Maestro Nelsinho também, já na contra capa do álbum nada diz a esse respeito. Sem dúvida nenhuma é a galera da Portela que deve estar ao redor de Paulinho, agora, nomes exatos só perguntando pro Paulinho, rsrs.

Um fato que achei curioso e me dei conta ao reouvir esse álbum é o de que a famosa introdução com o "...Laiaaaaaaa, laiaaaaaa, laiaaa, laaaaia..." de "Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida" não existe em sua versão original, hoje em dia é praticamente impossível cantar essa música sem sua intro, não pesquisei pra saber em que momento ela surge. Ta bom de papo né? Então vamos nos deleitar com a elegância dos sambas de Paulinho...


"... Fico no meu samba, se quiser pode ficar / Vou lá na Portela mesmo que você não vá... Não darei ouvidos se você me provocar, mas aceito um beijo se você quiser me dar, se você quiser me dar..."






Para Saber Mais: Homepage PV - Biografia DCA




Postado Por Marcel Cruz

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Sacundin na Nuvem de Blogs Top30!!!

Vê se não é pra ficar feliz!!!! Continuo contando com vocês!!!

Vote Sacundin!!! Uhulllll!!!

‎"A nuvem de votos, representa os Top30 mais votados no momento, a atualização é on-line. Sua campanha de votos te coloca ou tira da nuvem."

Aí rapeizes!!! É com vocês! rsrsrs Abração e desde já valeu!!!

Link de votação aqui

Link da Nuvem de Blogs


Marcel Cruz

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Paulinho Da Viola - Paulinho Da Viola

A elegância magistral do samba!

No conturbado Brasil de 1968 Paulinho da Viola lançava aos 26 anos de idade seu primeiro disco solo, a primeira aparição fonográfica de Paulinho acontecera 3 anos antes no registro, também lançado pela Odeon, do espetáculo "Rosa De Ouro" idealizado e dirigido por Herminio Belo De Carvalho. Entre o primeiro registro e o primeiro disco solo tiveram 5 outros álbuns, dois lançados no mesmo ano de 1968, ou seja, a produção de Paulinho em 1968 foi intensa.

Como não poderia deixar de ser Paulinho sempre deixou clara sua origem, seu berço e sua herança musical, fato que transparece claramente na escolha do repertório de seu debute, desse seu 'andar com as próprias pernas' musical.

A composição que abre o volume, "Vai Amigo", é assinada pelo mestre mangueirense Angenor de Oliveira - o excelentíssimo bamba mais conhecido como Cartola - a canção inédita em disco até então recebeu arranjo do maestro Gaya.

Lindolpho Gaya dividiu os arranjos do disco com o Maestro Nelsinho, ficando responsável por apenas mais três das faixas contidas no álbum: "Dôce Veneno" de Valsinho, Carlos Lentine e Goulart, "Amor Proibido" também de Cartola e "A Gente Esquece" do próprio Paulinho. Das 12 faixas contidas no volume apenas 5 levam a assinatura de Paulinho. É desse álbum uma das composições mais geniais já feitas por ele: "Coisas do Mundo, minha nega". Essa composição ficou em 6º lugar na primeira bienal do samba (Junho/1968), na ocasião quem a defendeu foi Jair Rodrigues.

Outros compositores que aparecem no repertório são: Candeia (Batuqueiro), Casquinha (Maria Sambamba), Elton Medeiros e Herminio Bello De Carvalho (Samba Do Amor), Cacaso (Meu Carnaval) e Garcez, Nelson Silva e Monteiro (Não Te Dói A Consciência). Sei que é bater na mesma tecla falar que o álbum é excelente, mas é fato, todas as faixas se complementam formando a unidade perfeita. Como diria um certo candidato recentemente eleito em São Paulo: "FantáááááRdigo!!!" rsrs.

Quanto a mim, não sei ao certo quando comecei a gostar de Paulinho da Viola, creio que já nasci gostanto, são tantas coisas bonitas que ele fez e faz que datas passam a ser mero detalhe sem muita função. Suas obras nascem atemporais e com fortíssima identidade, são músicas que ao ouvirmos afloram em nós o orgulho de ser brasileiro, de ser do samba, de ser do Brasil. Ele tem a mãnha!

Com esse álbum dou aqui o início a saga "Paulinhovioliana" do Sacundin, espero que gostem, mais um débito sendo pago! rs. Aguardem os próximos e...

Viva o Paulinho da Viola!!!



Para Baixar e Sair Sacundindo: Paulinho Da Viola - 1968 - Paulinho Da Viola






Postado Por Marcel Cruz

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sem palavras pra agradecer!!!

Rapeizes vocês não fazem idéia de como fiquei contente ao ver que o Sacundin foi classificado para o segundo turno de votação do TopBlog 2010.

Fiquei muito feliz e aproveito para agradecer a todos que dispuseram de um tempinho e tiveram a paciência de votar no Sacundin, graças a vocês o blog está entre os 100 classificados da categoria, (que massa!, rs), sendo assim ainda no páreo.

Puxa vida! Valeu mesmo meus queridos!!! Então que venha o segundo turno, conto novamente com vocês!!! Abraços e vamo que vamo que o som não pode parar!!! Valeu!!!


Para Votar e Sacundir: PrêmioTopBlog 2010


Marcel Cruz

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

The Whitefield Brothers - Earthology

Mais um da safra dos geniais. Oito anos após sua estréia o "Whitefield Brothers" chega com seu segundo álbum demonstrando o alto nivel de maturidade que atingiu. A África toda está presente no volume e, entre outras coisas, são evidentes as influências de músicos como Mulatu Astatke e Fela Kuti. Funk, Afrobeat, Breakbeat, EthioJazz e musica oriental são elementos facilmente percebidos nessa incrível salada musical.

O "Whitefield Brothers" é formado pelos irmãos Max e Jan Weissenfeldt - exatamente o que você esta pensando, sim: alemães! Novamente o suingue germânico surpreendendo - ambos também são integrantes do "The Poets Of Rhythm".

O projeto "Whitefield" começou em 2001 com o álbum "In The Raw", muito bom por sinal, mas numa outra 'vibe', funkeira pura (creio que podem também ser considerados como representantes dessa nova escola do funk). Nesse segundo álbum acontece outra coisa, um híbrido muito bem dosado de tudo aquilo que citei ali em cima, só ouvindo pra ter noção.

É claro que esse povo sempre anda em boa companhia, as participações mantém o nível do álbum lá no alto: Bajka, Quantic e Michels Affair são alguns nomes que aparecem dando suas canjas. Ah! A capa é excelente, não? rs



Para Baixar e Sair Sacundindo: The Whitefield Brothers - 2009 - Earthology


Para Saber Mais: Discogs


Para Assistir e Sacundir: NTU/Safari Strut - Sad Nile


Postado Por Marcel Cruz

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Mulatu Astatke & The Heliocentrics - Mulatu Astatke & The Heliocentrics (Inspiration Information Volume 3)

Mulatu Astatke já é figurinha conhecida aqui no Sacundin, sendo assim, a novidade agora fica por conta dos geniais "The Heliocentrics" e do projeto "Information Inspiration" da Strut Records.

Vamos iniciar pelo excelente projeto criado pela Strut Records:

Estreado em Setembro de 2008 o projeto "Information Inspiration" tem como principal característica reunir dois artistas para a gravação de um álbum, uma criação em conjunto. A empreitada ocorre numa espécie de intensivão de criações, concepções de arranjos e mais as gravações, com um prazo médio de uma semana para ser realizado. As escolhas dos artistas vão mais ou menos pelo caminho: "influencias e influenciados", ou seja, é o 'velho' e o novo numa fusão musical que tem dado muito certo em todas as edições. Esse é o terceiro da série e o que mais me agradou até então.

Mulatu, como já é sabido é o pai do EthioJazz e foi redescoberto e apresentado para o grande público em 2005, quando o diretor Jim Jarmuch usou sua música na trilha do filme "Flores Partidas". Era o empurrãozinho que Mulatu precisava para ganhar o mundo, e ganhou com os pés nas costas! Desde então sua obra vem sido não só apreciada como também vem influenciando o som de toda uma geração de novos músicos. Caso claramente constatado em bandas como Budos e Antibalas... Esse fato não quer de maneira alguma dizer que ninguém sabia da existência de Mulatu antes de "Flores Partidas", por favor não entendam isso.

Mas voltando aos influenciados...

Com o 'The Heliocentrics' não deve ter sido diferente, a banda teve sua estreia fonográfica em 2005 com um compacto simples. Mas álbum de estréia mesmo saiu somente em 2007. O encontro com Mulatu deu-se em Abril de 2008 quando foram convidados para acompanha-lo numa apresentação gravada pelo RedBull Music Academy Radio, com apenas um dia de ensaio os integrantes do 'The Heliocentrics' deram conta do recado de maneira surpreendente. O show foi considerado como um dos melhores realizados naquele ano.

Bom, depois de toda a química que rolou entre Mulatu e Heliocentrics nada mais coerente do que a realização de um projeto em conjunto, e foi o que aconteceu, cinco meses depois, em Setembro de 2008, eles estavam entrando em estudio para a realização desse que é sem dúvida alguma um dos melhores álbuns lançados no inicio de 2009.

Com vocês... Mulatu Astatke & The Heliocentrics!










Postado Por Marcel Cruz

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Convite - Aproveite e cadastre seu email ali em cima!

Muito bem... Vocês sabem quem eu sou, mas, salvo raras exceções, o contrário não é verdade. Se você algum dia acessou o blog, gostou e voltou, entre na comunidade, vou achar bem legal de saber quem são as pessoas que me visitam, porém, se a idéia não te agrada sem problemas pode continuar no anonimato rsrsrsrs

Abração se cuidem até... E como eu sempre digo... "Vamo que vamo que o som não pode parar!!!..."


Comunidade no Yorgute: Link Sacundinbenblog Yorgutado


Postado Por Marcel Cruz

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Shake Sauvage - French Soundtracks 1968-1973

Conceber uma coletânea é realmente uma arte!

Poucos tem o tino para acertar do começo ao fim e também de saber a hora de concluí-la de saber a hora de parar. Aqui temos um exemplo da genialidade de saber escolher a música certa e colocá-la na seqüência certa. É um trabalho que envolve muita pesquisa e sensibilidade aguçada. É como criar uma seqüência de discotecagem que será 'imortalizada' no ato da prensagem ou publicação do material.

Nesse projeto especificamente Shake Sauvage mergulhou no cinema francês dos anos 1968/1973 e recuperou obras-primas que estavam no limbo. Coincidentemente ou não parte das mesmas são obras de compositores de grande importância no cenário musical francês como Francis Lai, Philippe Sarde e Georges Garvarentz. Mas a cereja, ou as cerejas do bolo ficam a cargo dos 'grandes' que caíram no anonimato, deles temos peças incríveis como por exemplo: "Sexópolis" de Jean Pierre Mirouze, faixa escolhida para abrir a seleção e que é simplesmente genial! Tentei encontrar outras coisas desse compositor, a procura foi em vão, pois nada mais encontrei.

A seqüência de Shake só contribui para aumentar o deleite do ouvinte, pois é uma melhor que a outra, eletrizantes 17 faixas. Da mesma maneira que com Mirouze, dei uma busca geral nas obras individuais dos nomes que Shake selecionou, em alguns casos tive sucesso em outros nada de expressivo foi encontrado. Depois de toda essa procura cheguei a conclusão de que Shake Sauvage extraiu de fato o supra-sumo do gênero no período e concebeu "A" coletânea, que, creio eu vá ficar um bom tempo no player de vocês.

É isso aí, sejam bem vindos a viagem sonora do cinema underground francês na virada da década de 60! Uhuuullll!!!




Para Baixar e Sair Sacundindo: Shake Sauvage - French Soundtracks 1968-1973


Para Saber Mais: Homepage


Para Assistir e Sacundir: Sexopolis - O.K. Chicago - Le Theme d'Olivier


Postado Por Marcel Cruz

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

The Juju Orchestra - Bossa Nova Is Not a Crime

É moçada 2007 foi realmente o ano do Sacundin! The Juju Orchestra é mais um projeto que teve seu debute (em Long-Play) naquele ano. E que projeto!

A fusão entre dj, instrumentistas e cantores quando bem arquitetada gera coisas incríveis! Caso facilmente percebido na 'Juju'.

Aliado ao bom gosto relacionado a timbragem dos elementos, os integrantes da Juju tiveram a felicidade de escolher muito bem os convidados que participariam do projeto. Estão presentes os cantores Terry Callier e Robert Smith (do The Cure), e as cantoras Carolyn Leonhart e a brasileira Katia B que representa muito bem nossa terrinha, aliás, o que não poderia faltar nessa estréia era um brasileiro, haja visto que eles declaradamente sofreram influências de vários de nossos músicos, fato facilmente constatado já no nome escolhido para o álbum.

O álbum é composto por 8 faixas incríveis. A primeira "This is Not a Tango", traz no nome o aviso de que não é realmente um tango, pois apesar do bandoneon e do pianão fazendo uma linha de baixo característica, a levada da bateria é totalmente Bossa Nova e a percussão tem uma 'vibe' bem caribenha, sacada genial! Em seguida temos a excelente participação de Terry Callier e Carolyn Leonhart em "What Is Hip". A terceira faixa é ...'uma espécie de ritmo latino que não chega a ser realmente Bossa Nova mas algo que se aproxima e que pode até ser confundida com a mesma por ser um tipo de...' rsrs é mais ou menos isso o que diz no sampler que eles puseram na música, o nome da faixa é "Kind of Latyn Rhythm".

Na seqüencia vem "Take Four" e "Do It Again" esta com Carolyn Leonhart e Robert Smith nos vocais.

As demais são: "El Bravo", uma salsa suingadíssima, "Não posso demorar", que conta a participação de Katia B e que em alguns momentos me lembra um pouco a música "Proton, eletron e Neutron" de Marcos e Paulo Sergio Valle gravada em 1968 no álbum 'Viola Enluarada', ambas geniais!

Fechando o volume temos "Funk Nassau", um flerte bem funkeado com o Afrobeat de Fela Kuti, muuuito bom!

Antes que eu me esqueça vamos aos integrantes da Juju Orchestra:

A Juju Orchestra tem seu núcleo base formado por três músicos germânicos: Oliver Belz, Sammy Kilic e Ralf Zitzmann criador e responsável pelo selo Agogo Records, selo que lançou a 'Juju' no mercado. Essa formação se expande quando se apresentam ao vivo chegando a mais ou menos 12 integrantes, (pelo que entendi esse número é variável).

Acho que é isso... Agora é só cair no inacreditável suingue alemão! Vocês irão se surpreender!!! Uhullll!!!



quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Lack Of Afro - Press On

Mais uma feliz descoberta esse ano! Lack Of Afro é uma das coisas mais legais que ouvi ultimamente, indicação de Renato Larini (um de meus mentores culturais), me caiu aos ouvidos e grudou de maneira que por esses dias virou fixação, não escuto outra coisa. Dando uma pesquisada a respeito encontrei algumas informação que compartilho com vocês agora.

"Lack Of Afro" é um projeto do Dj e multi-instrumentista Adam Gibonns. Esse é seu álbum de estréia e foi lançado em 2007, (vejam só nasceu junto com o sacundin!). A crítica acolheu o trabalho e teceu inúmeros elogios apostando em Gibonns como uma das promessas do funk moderno, o que estão chamando de 'New School'. Ainda não pesquisei muito a respeito dessa nova escola, mas o fato é que o figurinha sabe manipular o material sonoro com extremo bom gosto, todos os elementos contidos no álbum nos deixa claro o esmero de Gibbons com sua obra.

O volume é composto por uma vinheta de abertura e 11 faixas que são pancadarias das grandes, excelente de ouvir, timbrera, grooves, fooooooda demais. Eu estava com a pretenção de destacar algumas faixas chamando a atenção para as mesmas, mas ouvindo uma a uma achei praticamente impossível. Escutem e vocês entenderam minha dificuldade, sem brincadeira é um disco genial de fio a pavio.

Confiram e se possível comentem. É isso aí vamo que vamo!!!

Ah! A arte gráfica é outra parada que achei genialíssima! Fui!



Para Baixar e Sair Sacundindo: Lack Of Afro - 2007 - Press On


Para Saber Mais: Homepage Lack - MySpace


Para Assistir e Sacundir: Roderigo - Together at Last


Postado Por Marcel Cruz

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

3 Aninhos de Sacundin! Que venham os outros!!!

É isso aí meus queridos leitores, exatamente hoje dia 11 de Agosto de 2010 o Sacundinbenblog completa seu terceiro ano!

Quero agradecer a todos vocês que estiveram comigo nessa jornada, obrigado pelos comentários, pelas críticas, pelos elogios, enfim, obrigado por manterem essa chama acesa, pois é graças a vocês que o blog continua sacundindo, é isso aí!!! Um megaultrathunder obrigado a todos e como eu sempre digo...

"Vamo que vamo que o som não pode parar!!!"

Abração a todos e mais uma vez meu muitíssimo obrigado!!! Uhullll!!!!


Marcel Cruz

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

The Budos Band - The Budos Band III

Definitivamente o melhor de todos!!! Desde que o arquivo caiu nas minhas mãos e ouvidos não escuto outra coisa! Eles se superaram e demonstram nesse trabalho a mais alta maturidade musical, tudo perfeitamente coerente e bem concebido.

Vou aproveitar essa postagem para falar um pouco a respeito da formação do Budos já que nas anteriores deixei passar. O Budos Band segundo o Myspace atualmente é formado por 12 integrantes, (apesar de na foto aparecerem apenas 10, e nos videos abaixo estarem em 11, rs) divididos em quatro setores por assim dizer: Nos metais temos dois Saxofonistas/Flautistas (um tenor e um barítono) e dois trumpetistas. Nas cordas: um guitarrista e um baixista, nos teclados: um organista. Na sessão ritmica temos 5 integrantes divididos em 2 congueiros, um clavista, um batera e um ritmista responsável pelo shakerê. A alquimia resultante dessa formação é extremamente peculiar, uma combinação de timbres que deu muito certo.

O guitarrista do Budos, Thomas Brenneck, também faz parte dos Dap-Kings banda que acompanha a cantora Sharon Jones, faz parte da banda que acompanha Amy Winehouse e tem ainda um projeto, lançado em disco no ano de 2008, que conta com a participação de outros dos integrantes do Budos, do Dap-Kings, do Antibalas e do El Michels Affair: O Menahan Street Band.

Esse terceiro álbum do Budos é composto por 11 faixas todas com identidade peculiar e que continuam fazendo referencia aos pais que claramente influenciaram o som da banda como Mulato Astatke e Fela Kuti, o novo elemento do caldeirão 'Budosiano' é a inevitável influência Beatles que demonstram numa releitura/homenagem genial de um tema do quarteto renomeado como "Reppirt Yad". Alguém aí consegue matar a charada de que tema é esse? Ouvindo fica evidente, mas mesmo assim vale a pena desvendar a brincadeira que eles conceberam, por isso não discorrerei mais a respeito, descubram sozinhos! rsrsrs.

O link de video que deixo ali embaixo tem que obrigatóriamente ser assistido, foda demais!!!! é isso aí, boa diversão!!!



Para Baixar e Sair Sacundindo: The Budos Band - 2010 - The Budos Band III


Para Saber Mais: MySpace


Para Assistir e Sacundir: The Budos Band


Postado Por Marcel Cruz

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Hypnotic Brass Ensemble - The Heritage

Eu não sou muito adepto de colocar lançamentos aqui no Sacundin até porque o blog não tem esse caráter mas meus queridos sempre existem as exceções e eu não posso deixar de compartilhar isso com vocês! Fresquinho aqui está o mais recente lançamento do HBE. Como era de se esperar... Genial!!!

O EP é composto por 5 faixas que seguem os mesmo moldes das composições anteriores do HBE. Melodias vigorosas e grooves potentes, espero que gostem porque eu já to chapando demais nesse EP. Uhullll!!! rs

Abração e vamo que vamo que o som não pode parar!!!

PS* A outra exceção é o The Budos Band, nossa próxima postagem!

PSS* Agracecimentos especialíssimos ao Fabiano Scodeler Pereira que nos presenteou com esse arquivo, valeu doido!!!


Para Baixar e Sair Sacundindo: HBE - 2010 - The Heritage



Para Saber Mais, Assistir e Sacundir: ChoiceCuts Presents Hypnotic Brass Ensemble

Postado Por Marcel Cruz

terça-feira, 27 de julho de 2010

Trio Mocotó - Trio Mocotó

Já que por acaso acabamos retornando ao Samba-Rock vou aproveitar para preencher uma lacuna que tem no Sacundin. Estava faltando aqui um disco solo do Trio que é formado pelos, segundo Jorge Ben, criadores da batida do Samba-Rock.

Formado por Fritz Escovão (Voz e cuíca), João Parahiba (Bateria, Timba e voz) e Nereu (Pandeiro e Voz) o Trio Mocotó apareceu pela primeira vez para o grande público em 1969 acompanhando Jorge Ben no IV Festival Internacional Da Canção, aí foi paixão logo na primeira aparição! Ganharam o público de prima. Esse é o segundo álbum deles lançado em 1973, antes dele temos um compacto lançado pelo Jornal O Pasquim em 1970 e um Lp lançado pelo selo Forma (este ainda não consegui com o áudio em uma qualidade boa por isso pulei, assim que conseguir coloco aqui), fora isso tiveram participações em álbuns de Jorge Ben, Chico Buarque, Toquinho, Vinícius e Marilia Medalha.

Lançado pelo selo RGE em 1973 o álbum aqui presente é composto por 12 faixas. Diferente do primeiro em que só constavam releituras no repertório, este chega com 4 composições assinadas por integrantes do trio a começar por "Desapareça" tema suingadíssimo de Fritz Escovão que assina mas dois dos temas: "Não vá embora" e "Desculpe". O último tema 'original' é de Nereu: "Swinga Sambaby", essa foi regravada em 2001 no disco de retorno do Trio, retorno porque eles gravaram outro disco em 1975 e só foram gravar novamente 26 anos depois com a redescoberta do grupo.

Completam o volume composições de autores como Carlinhos Vergueiro (Nó na Garganta), Mutinho e Itiberê ("Vem Cá" e "Tô Por Fora Da Jogada"), Roberto e Erasmo Carlos (Samba da Preguiça) e entre outros não poderia faltar Jorge Ben (Palomaris). A faixa que fecha o álbum é um tema instrumental famoso de Burt Bacharach: "Raindrops Keep Falling on My Head" que na versão do Trio recebeu o nome de "Gotas De Chuva Na Minha Cuíca", Fritz faz a cuíquinha chorar nessa releitura genial do tema.

Além do Trio participam do álbum outros músicos. São eles: Amilson Godoy (Piano), Olmir Stockler (Guitarra), Itiberê Zwarg (Baixo), Ricardo Canto (Baixo) e Bira (Percussão). A empreitada contou ainda com 4 arranjadores: Rogério Duprat, Waldomiro Lemke, Sérgio Carvalho e João Carlos Pegoraro. É uma pena não ter a especificação de quem arranjou o que, mas tenho quase certeza de que o arranjo de "Nó Na Garganta" é de Duprat.

A capa foi desenhada por Albery, o mesmo que fez a capa do Jorge de 1969. Acho que é isso... então...

"Swinga sambaby swinga!!!!"

PS* Ah!!! Achei um especial que eles gravaram na TV Cultura em 1971, bem na época do lançamento do primeiro disco, ali já aparecem algumas músicas que foram gravadas nesse segundo álbum aqui, se tiverem com tempo vale muito a pena ver, os links estão na seqüência. Agora sim!...

"Swinga sambaby swinga!!!!" rsrs



Para Baixar e Sair sacundindo: Trio Mocotó - 1973 - Trio Mocotó


Para Saber Mais: Bio 1 - Bio 2 - Bio 3 - MySpace


Para Assistir e Sacundir: Especial TV Cultura 1971 - Parte 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - Final


Postado Por Marcel Cruz

terça-feira, 20 de julho de 2010

Daniel Salinas - Paz Amor e... Samba

Versatilidade! Analisando o conjunto da obra talvez seja essa a palavra que melhor traduza Daniel Salinas, sim, ele é realmente O CARA! Através do Sacundin consegui entrar em contato com pessoas próximas dele, que me forneceram informações interessantíssimas, e estou prestes a falar com o figurinha pessoalmente! Que honra a minha!

Salinas não é pseudônimo de Sergio Sá, Salinas é ele mesmo e sempre o foi, fosse o trabalho que fosse nunca usou o artifício do codinome, assinou tudo o que fez, e olha meus queridos que o homem fez coisas hein!

Coincidentemente hoje 20 de Julho ele está completando 75 anos! Dos quais praticamente 65 dedicados a música. Salinas é fruto de famíla de músicos, pai, mãe e irmãos que dominavam a arte musical, ou seja, não teria como Daniel escapar, e que bom que não escapou! Ao longo desses anos Daniel arranjou mais de mil obras musicais, não tenho esses dados exatos mas pelo pelo seu histórico discográfico a coisa deve estar por aí mesmo (ou pode ser bem mais).

O álbum que trago agora foi lançado em 1972 pela Copacabana, selo que tinha em seu casting artistas de primeira como Elizeth Cardoso e o também maestro Portinho, só para citar alguns. Aproveito para deixar aqui meus agradecimentos para o blog Toque Musical (foi dele que baixei e estou re-postando aqui para vocês).

Bom, ainda não tenho a ficha técnica do álbum, pretendo consegui-la na conversa que terei com o Maestro. De mais a mais o álbum é composto por 12 releituras de temas que se tornaram ou já eram clássicos na época. O álbum como um todo tem um caráter bem samba-rock, rítmo em voga naquele período.

A faixa de abertura é uma composição de Jorge Ben que havia sido gravada um ano antes pelos Originais do Samba: "Tenha Fé, Que Amanhã Um Lindo Dia Vai Nascer", o que segue é um rosário de clássicos que só ouvindo pra ter idéia. Outras que merecem destaque são: "A morte do Amor" de Antonio Carlos e Jocafi, o sambafoxé "Implorar" de Kid Pepe, Augusto e Gaspar e, a clássica: "A Saudade Mata a Gente", de João de Barro e Antonio Almeida que Salinas transformou num funk cheio de sacundin!

Ah! Prestem bem atenção em todas as introduções compostas por Salinas, uma mais genial que a outra. Então é isso, chega desse meu papinho e vambora ouvir essa pérola genialzinha!


"Fica aqui os parabéns do Sacundinbenblog para o incomparável Maestro Daniel Salinas! Vida longa e muita saúde maestro!!!" Abração!!! E obrigado por todo esse som!!!




Para Baixar e Sair Sacundindo: Daniel Salinas - 1972 - Paz, Amor e... Samba


Postado Por Marcel Cruz

PS* Queridos leitores espero atualizar esse texto em breve! Fiquem atentos (Abração, fui!) rs.


sexta-feira, 9 de julho de 2010

Téo Azevedo - Grito Selvagem

É isso aí! Estou de volta, e chegando com tudo! rsrs.

Dando continuidade aos garimpos musicais a procura de trabalhos do maestro Salinas, que foi foco da nossa postagem anterior, me deparei com essa obra genial.

"Grito Selvagem": álbum de estréia de Téo Azevedo, que conta com a assinatura do enigmático maestro em todos os arranjos e... rapeizes!... Que pancadaria! Samba-Rock de primeira!!! Aliás samba-rockafoxéfunkbaião tudo muito bem misturado, a parada é repleta de sacundin!

São 10 faixas, uma melhor que a outra e entre elas apenas uma releitura: "Mané João" de Roberto e Erasmo Carlos, que ficou bacaníssima, as 9 restantes são todas de Teo e seus parceiros. O lado curioso dessa história é que esse é um disco impar na carreira de Téo Azevedo, pois quem conhece apenas seus discos posteriores nem de longe diria que esse álbum foi feito por ele, pouco tem a ver com o que veio depois. Sinceramente lamento muito, a pegada que tem nesse disco é genial! Talvez isso deva-se ao fato de termos Salinas na empreitada. Salinas além de assinar os arranjos também participa como músico. Outra participação especial é a do Evandro e seu Regional. Na ficha técnica vemos alguns nomes que também figuram no álbum de Salinas.

Eu ia destacar uma ou outra faixa mas, além da preguiça (rsrs), seria injusto o disco é realmente muito foda, vale a pena de cabo a rabo. Então é isso, chega de enrolação! Salve Téo e salve Salinas!!!! Uhullll!!!!


"...Vá pentear macaco que eu não gosto de puxa-sa-a-co..."

Excelente! rsrsrs




Para Baixar e Sair Sacundindo: Téo Azevedo - 1974 - Grito Selvagem


Para Saber Mais: Biografia 1 - Biografia 2


Postado Por Marcel Cruz

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Não abandonei o Sacundin não!

Queridos leitores desculpem minha ausência, logo logo estarei de volta. Abraços e vamo que vamo...

Marcel Cruz

domingo, 13 de junho de 2010

Daniel Salinas - Atlantis

Há algum tempo eu mencionei aqui uma coletânea de Soul e Funk lançada pela Charly Records e falei que através dela conheci vários artistas geniais. Falei de Marlena Shaw, Rotary Connection e Terry Callier. Mas dentro do repertório que o álbum me apresentou ficou faltando um som que realmente me pegou e que acabei deixando passar batido, agora venho me reparar de tal falha. Estou falando do genial Daniel Salinas.

Salinas foi um dos importantes arranjadores da turma da Jovem Guarda, e mesmo tendo assinado vários trabalhos, pouquíssimo se sabe a seu respeito. A conclusão a que cheguei com base nas pesquisas que fiz, foi a de que existe uma grande possibilidade de Daniel Salinas ser um codinome usado por Sergio Sá, que na época também usava o de "Paul Bryan", fato que justifica a presença de 5 musicas assinadas por Sá num álbum que possui 7 faixas.

Outro fato que me leva a crer nessa suposição é uma entrevista que Ronnie Von, que era o entrevistador na ocasião, da uma 'rasgada de seda' falando que Sergio era o arranjador mais disputado pela galera da Jovem Guarda. Se isso realmente procede, fazendo uma busca nas fichas técnicas de vários álbuns da Jovem Guarda, o nome que figura é o de Daniel Salinas, como Sergio Sá encontrei poucos e tudo já na década de 80.

Outro ponto que ajuda na suspeita é de que ambos são pianistas, arranjadores, regentes e inclusive assinam a autoria de algumas composições como parceiros. Porém, nessa minha procura me deparei com um outro álbum de Salinas lançado um ano antes deste aqui e que segue uma linha totalmente distinta. O álbum se chama "Paz, Amor e... Samba", muito bom por sinal, e mais, não lembro agora mas também encontrei um disco em que consta o nome de ambos como arranjadores, se são a mesma pessoa isso soa um tanto estranho, resumindo, tudo o que encontrei me mostra apenas possibilidades bastante suspeitas, nada que se possa afirmar com relação a identidade real de Daniel Salinas.

Bom, mas independente dessa incógnita, o que temos aqui é uma obra prima, um álbum lançado em 1973/74 composto por sete faixas das quais duas são re-leituras e as outras cinco são temas originais.

O lado A do álbum abre com "Like A Rainy Night" de Paul Bryan (Sergio Sá). Já nessa primeira faixa vemos a maestria com que Salinas pensa seus arranjos, tudo muito bem equilibrado e com uma alquimia timbrística perfeita. Fiquem atentos para os solos do Trompete, Flauta e do Piano Rhodes tocado por Sergio Sá, excelentes!!! A canção seguinte é "No Broken Heart", também de Paul Bryan, nessa figuram também na autoria os nomes D.Edwards e M.Davis, o tema é bem meloso mas depois da vigésima ouvida você começa a achá-lo bacana rsrs. Os dois temas seguintes são as 'cerejas do bolo', "Baião" de Sergio Sá e Daniel Salinas carrega o nordeste em si, mais uma vez Sergio Sá da uma esmirilhada com seu solo de Piano Rhodes que complementado com as cordas, os metais, a flauta e a percussão deixa qualquer ouvinte com vontade de ouvi-lá mais e mais.

Mas de todas as faixas contidas no álbum a quarta faixa do volume, e última faixa do Lado A do LP, é sem dúvida alguma a mais fooooda. Salinas e Sergio Sá, a exemplo de Eumir Deodato, também quiseram 'brincar' com a obra de Richard Strauss e compuseram um tema original tendo como base a introdução de 'Assim Falou Zaratustra'. O resultado ficou incrível e lembra muito trilha de filme policial, para reforçar a homenagem nomearam a composição como "Straussmania". Vale chamar a atenção para a batera de Norival, para o Baixo de Willy e para a guitarra de Aristeu, espetaculares!!!

O Lado B do Lp é meio breguinha, mas mesmo assim fenomenal! rsrs. A primeira faixa é uma releitura de "Bridge Over Troubled Water", do Norte-americano Paul Simon, os solos e improvisos de Sergio Sá e do guita Aristeu são excelentes! A faixa seguinte é mais uma composição de Paul Bryan: "A Song For A Helping Hand", Salinas optou por inserir no final dela um coro que canta parte da letra, ou seja, é a única faixa que tem vocal. Finalizando o volume e fechando o Lado B temos a faixa título "Atlantis", composição de Donovan, música que fez bastante sucesso no final da década de 60. Nela mais uma vez Aristeu, 'o homem da guitarra', rouba a cena e faz bonito encerrando assim um dos melhores álbuns brasileiros lançado no início da década de 70. É isso aí! Espero que gostem!

PS* Quando estava terminando esse texto encontrei outra informação a respeito de Daniel Salinas. Em 1976 e 1977 ele gravou dois álbuns como Alice Street Gang, uma parada totalmente disco. Aqui tem um video com uma das faixas : Alice Street Gang . Fiquei curioso para ouvir o resto, tem até o hino do Corinthians no repertório, rsrsrs. Fui!



Para Baixar e Sair Sacundindo: Daniel Salinas - 1973/74 - Atlantis




Para Assistir e Sacundir: Straussmania - Baião


Postado Por Marcel Cruz

sábado, 29 de maio de 2010

Rogério Duprat, Gilberto Gil e Capinam - Brasil Ano 2000

Antes de começar o texto sobre o álbum quero deixar aqui meus sinceros agradecimentos ao especialíssimo Chico Arruda que ao saber que eu estava a procura deste álbum entrou em contato e teve a bondade de me enviar uma cópia dessa obra que até então estava perdida no tempo. Valeu mesmo Chico, essa postagem dedico a você!

Agora vamos ao disco:

O elo perdido! A lacuna que existia na discografia tropicalista acaba de ser preenchida!!! "Brasil Ano 2000", é a trilha do filme homônimo lançado em 1969. Os responsáveis pela trilha fazem parte da cúpula tropicalista. Gil, Capinam, Duprat e Caetano Veloso assinam as composições contidas no filme.

20 faixas das quais três são de Gil e Capinam, uma de Caetano Veloso e as 16 restantes levam a assinatura de Duprat. O tempo total do LP dura cerca de 32 minutos e carrega momentos memoráveis. De começo temos Gal Costa interpretando a excelente "Canção Da Moça", de Gil e Capinam, na ficha técnica não diz quem é o violonista que a acompanha, mas tenho quase certeza de que é o proprio Gil que o faz. Seguindo temos duas vinhetas de Duprat e outra canção de Gil e Capinam "Homen de Neandertal", interpretada por Gal e Bruno Ferreira. Mais uma vinheta e caimos no tema chamado "Retreta", tema que caberia em qualquer filme de Fellini sem destoar em nada, Duprat compôs um dobrado que deixaria Nino Rota morrendo de inveja (ah! Se Fellini tivesse ouvido isso! rsrs). Na sequência temos mais 5 vinhetas de tamanhos variáveis e que entre as quais Duprat desfolha citações de Felix Mendelssohn e de G. Rossini e são com elas que finaliza o Lado A do LP.

O Lado B abre com "Show de Me Esqueci", uma espécie de síntese do filme interpretada por Gal , Ênio Golçalves e Bruno Ferreira, nela estão praticamente quase todas as melodias que permeam o filme. O que segue é a composição "Coração", aqui Duprat re-utilizou a base do arranjo orquestral de "Coração Materno" gravado um ano antes para o LP "Tropicália ou Panis Et Circenses" e substituiu o vocal de Caetano Veloso por um solo de clarinete fazendo outra melodia, creio, sem dúvida alguma, que Duprat fez uso dos tapes de "Coração Materno" para o seu 'novo' "Coração" como uma espécie de play back, é curioso ouví-las uma seguida da outra.

Mais quatro vinhetas seguem na continuidade do álbum, duas merecem ser comentadas: "Duelo De Garfo e Faca", me arremete aos experimentos de Walter Smetak com suas propositais desafinações e diálogo entre os instrumentos e "Relógio Do Tempo", que devido a instrumentação escolhida é o tema mais singelo do álbum, impossível não gostar. Mais duas e concluímos o repertório do disco: "Escolha Da Liberdade", novamente Duprat revisita os temas que aparecem no filme e cria nova melodia que vai servir de ponte para o último tema do álbum. "Não Identificado", composição de Caetano Veloso que foi escolhida como canção adicional e que encaixou perfeitamente, não poderia ter sido melhor a escolha. Mais uma vez Gal deixa seu recado concluindo o volume de maneira magistral.

"...Vou andando, vou sonhando, vou sorrindo, seu sorriso sonho antigo em minha dor..."






Para Saber Mais: O Filme


Postado Por Marcel Cruz

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Edu Lobo - A Música De Edu Lobo Por Edu Lobo

O ano era 1965, não era exatamente uma estréia em disco, porém, foi como se fosse. "A Música de Edu Lobo Por Edu Lobo" é o primeiro álbum de Edu mas sua estréia em disco se deu de fato em 1963 com um EP(Compacto Duplo) que continha 4 composições bem na onda intimista "O amor, o sorriso e a flor" que a Bossa Nova trazia (achei estranho esse registro ser desconsiderado na discografia apresentada pelo site oficial de Edu Lobo). Fazendo um comparativo entre primeiro EP e primeiro LP vemos uma evolução surpreendente nos dois anos que separam ambos. Aqui temos um Edu bem mais maduro e com tendências evolutivas desenfreadas.

A banda de apoio que Edu chamou para o acompanhar foi o Tamba Trio que era encabeçado pelo genial Luis Eça ao piano, vocal e que foi responsável pelos arranjos do álbum, tinha ainda Bebeto Castilho que cantou, tocou baixo e flauta transversal e Rubens O'Hana que também cantou e tocou bateria. A alquimia perfeita que rolou entre Edu e o Tamba Trio ficou notadamente refletida no resultado final.

No volume temos 12 composições de Edu em parceria com Ruy Guerra, Vinícius de Moraes, Lula Freire e Oduvaldo Vianna Filho. Fazem parte desse repertório inicial de Edu as clássicas: "Borandá", "Chegança", "Arrastão" e "Reza". Meu destaque vai para a excelente "Resolução", composição de Edu que figura entre minhas preferidas dentro da obra 'Lobística', outra genial é "Zambi", música estopim para Edu começar a compor com Gianfrancesco Guarnieri a trilha para a peça "Arena Canta Zumbi" que estreou em maio de 1965.

Eu citei essas mas na real todo o álbum é de extremo bom gosto e da pra ouvir 'de cabo a rabo' sem se cansar, então é isso! Vam'borandá...


"... É vou contar o que há, é tempo de dizer quem sou / Se já cansei de lutar agora quero descansar / Tanto eu esperei para vencer e agora vejo que perder nada mais é do que cansar..."





Para Assistir e Sacundir: Borandá - Reza


Postado Por Marcel Cruz

terça-feira, 11 de maio de 2010

Edu Lobo - Sergio Mendes Presents Lobo

É incrível o que Edu Lobo conseguiu realizar em 1970, dois álbuns com várias canções em comum mas que são totalmente distintos entre si. Tudo bem que não foram realizados pelos mesmos produtores, fato a que se deve parte da façanha, mas de qualquer maneira creio que foi a palavra final de Edu que vigorou, e há de se concordar comigo... Quanto bom gosto!!!

Esse foi um álbum pensado para o mercado internacional e é aí que visualizamos o diferencial impresso por Sergio Mendes que assinou a produção da empreitada, tarefa que deve ter sido extremamente prazerosa e, pelo que constatamos nas palavras de Sergio impressa na contra-capa do álbum, gratificante, motivo de orgulho! E não era pra menos, Edu era da linhagem direta precedente de Tom Jobim, Baden Powell e afins. Aliás, uma coisa que não sei se esta seria a postagem ideal de se comentar, mas que mesmo assim o farei: a meu ver Edu Lobo é junto com Moacir Santos e Baden precursor e também criador dos Afro-Sambas um gênero que ficou diluído no movimento Bossa Nova mas que é bem distinto e genialíssimo, esse é um fato que não vejo ninguém comentar. Mas voltando...

Esse álbum como o postado anteriormente foi gravado em Los Angeles CA em 1970, esse especificamente em Julho daquele ano. Com produção de Sergio Mendes o álbum também contou com instrumentistas do mais alto calibre. Lá estavam novamente o trio Hermeto Pascoal - Piano, Piano Eletrico - Flauta, Airto Moreira - Percussão e Cláudio Slon - Bateria, músicos que gravaram o "Cantiga De Longe", e mais Oscar Castro Neves junto com Edu nos violões/guitarras, Sergio Mendes assumiu junto com Hermeto o Piano e além disso tudo ainda temos um quarteto de cordas, um fagotista (Norman Herzberg) e o vocal de Gracinha Leporace em algumas das faixas. Quer mais? Bom, Edu, Sergio e Hermeto assinam os arranjos, nos três nomes temos a tag de "co-arranger".

O volume é composto por 9 faixas, quase todas escolhidas a dedo, dando um breve panorama da produção de Edu entre 1966 e 1970. Sete delas de autoria de Edu e seus parceiros, uma de Hermeto e a última, totalmente desnecessária a meu ver, é uma releitura de Lennon e McCartney.

A abertura do álbum ficou por conta de "Zanzibar", com um arranjo menos cru que o original, aqui Edu é acompanhado por Gracinha Leporace nos vocais, na mesma linha Edu segue com "Ponteio", música de Edu e Capinam que até então só havia sido lançada em compacto e no álbum do III Festival Da Record, a versão que temos aqui também tem a participação de Gracinha Leporace nos vocais. Fica bem evidente o direcionamento que deram para a concepção dos arranjos se fizermos a comparação com as versões originais, moldaram tudo de maneira magistral para atingir outro mercado. Seguindo temos ainda no Lado A: "Even Now", versão em inglês feita por Paula Stone para "Cantiga De Longe" e "Crystal Illusions" versão em inglês de Lani Hall para "Memórias de Marta Saré".

O Lado B inicia com uma versão excelente de "Casa Forte" seguida de outra parceria de Edu e Capinam lançada originalmente em 1967: "Jangada". Na sequência temos uma composição de Hermeto Pascoal chamada "Sharp Tongue" e mais uma versão em inglês de outra composição que se tornou clássica de Edu e Torquato Neto: "To Say Goodbye", a nossa "Pra Dizer Adeus", a adaptação para o inglês foi obra de Lani Hall. Pra mim o álbum deveria ter acabado aqui, mas não acaba.

Não sei se foi pra encher linguiça, ou por estratégia mercadológica, ou pressão da gravadora, ou sei lá o que, enfim, a última faixa do álbum é uma versão de "Hey Jude", eu particularmente acho essa música uma grande porcaria, rsrs, não sei se é por causa do Roupa Nova ou porque não gosto mesmo, apesar que o arranjo ficou legal, mas puta que o pariu! Tanta música legal dos Beatles pra fazer versão e eles escolhem logo essa! Pior que isso só Ob-la-di Ob-la-dá, rsrsrsrs. Mas tudo bem o resto é realmente genial!!!!

Espero que gostem!!!


"...Ob-la-di Ob-la-dá..." Ooops! "...Era um era dois era cem, Era o mundo chegando e ninguém..."



Para Baixar e Sair Sacundindo: Edu Lobo - 1970 - Sergio Mendes Presents Lobo


Para Saber Mais: Álbum Release


Para Assistir e Sacundir: III Festival da Record - Ponteio


Postado Por Marcel Cruz

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Edu Lobo - Cantiga De Longe


É claro que eu conhecia a obra de Edu Lobo, afinal de contas o cara é um ícone da música brasileira, quando adolescente comprei alguns de seus primeiros álbuns em vinil, mas na época foi apenas mais um nome na minha discoteca. Lembro que quando trabalhei na Rádio Educativa uma das vinhetas de abertura do programa da tarde tinha "Zanzibar" como música de fundo e "Ponteio" também era vinheta de abertura de um programa homônimo.
Bom, várias outras canções de Edu me rodeavam com frequência e eu nem "tchum". Lembro que a primeira música de Edu que me chamou bastante atenção foi "Resolução", canção que faz parte de seu segundo álbum "A Música De Edu Lobo Por Edu Lobo" de 1965, inclusive foi ela que me impulsionou a comprá-lo.
Algum tempo depois parei para ouvir Edu com calma e fiquei extremamente feliz com minha redescoberta. Três álbuns de Edu me deixaram realmente chapado e com aquela sensação de estar fora de órbita: "A Música De Edu Lobo Por Edu Lobo", "Sergio Mendes Presents Lobo" e "Cantiga De Longe". Hoje falarei de: "Cantiga De Longe" lançado em 1970.
O álbum aqui presente foi produzido por Aloisio De Oliveira, gravado em Los Angeles, conta com arranjos de Hermeto Pascoal e Edu Lobo e o lançamento no Brasil saiu pela gravadora Elenco. O time de músicos, como não poderia deixar de ser, é excelente. Existem boatos de que é um disco de Edu Lobo com o Quarteto Novo, essa informação é falsa, existe sim a participação de dois do integrantes mas não do Quarteto completo pois o mesmo havia se desfeito um ano antes, 1969. Participam do álbum: Hermeto Pascoal ex-Quarteto Novo, que além de tocar flauta e piano assina os arranjos, Airto Moreira, que era o outro ex-integrante do Quarteto Novo, na percussão, José Marino no baixo, Roberto Slon na bateria, Edu Lobo voz e violão e Wanda Sá que participa da faixa "Aguaverde".
O repertório do álbum é originalmente composto por 11 composições. A edição que vocês irão baixar contém 12 pois acrecentei um bônus. Vamos as composições:
O álbum abre com a genial "Casa Forte", canção originalmente gravada por Elis Regina no ano anterior, mas que aqui ganha sua versão definitiva, o que segue é o "Frevo de Itamaracá/Come e Dorme" faixa que contém dois frevos, um de Edu e outro de Nelson Ferreira. A singela "Mariana, Mariana", faixa seguinte e parceria de Edu e Ruy Guerra, tem uma introdução que pode ter sido precursora da excelente "Beatriz" que Edu comporia em 1983 para o espetáculo e disco do "Grande Circo Místico", pelo menos uma me lembrou a outra.
A segunda releitura do álbum é a marchinha "Zum-Zum" composição de Paulo Soledade e Fernando Lobo, pai de Edu. Seguindo temos a excelente "Aguaverde" que conta com a participação de Wanda Sá nos vocais e fechando o Lado A do álbum temos a faixa título "Cantiga De Longe", uma das melhores composições de Edu com um arranjo ultra moderno, só a introdução dessa faixa vale o disco todo, é uma de minhas preferidas no álbum.
O Lado B abre com outra que adoro, "Na Feira De Santarém", parceria de Edu e Guarnieri, os diálogos contidos no arranjo são geniais, na sequência temos "Zanzibar", Hermeto quebra tudo no improviso final. Outra parceria entre Edu e Guarnieri que aparece no álbum é "Marta e Romão" que juntamente com "Memórias De Marta Saré" fizeram parte da trilha composta para a montagem teatral da peça de Guarnieri. Em seguida temos outra marchinha, "Rancho de ano Novo", as intervenções da flauta de Hermeto dão um toque especialíssimo na canção, fechando o volume temos "Cidade Nova".
Como bônus acrescentei "Memórias de Marta Saré", que ficou entre as finalistas do 4º Festival da Record em 1968. Escutem esse álbum com calma e muita atenção, garanto que vai valer cada segundo.
"...Se troca se vende, quem é que vai comprar, Se troca se vende, quem é que vai levar..."



Para Baixar e Sair Sacundindo: Edu Lobo - 1970 - Cantiga De Longe


Para Saber Mais: Edu Lobo Home


Para assistir e Sacundir: Memórias de Marta Assaré


Postado Por Marcel Cruz

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Antonio Pinto - Abril Despedaçado

Quem segue o Sacundin já sabe da minha adoração pela música de Antonio Pinto, acho esse compositor simplesmente genial e de um bom gosto formidável.

A maior parte de sua discografia são trilhas para cinema, duas já constam nos arquivos do Sacundin, sei que faltam muitas, mas hoje aproveito para preencher um pouco dessa falta com a excepcional trilha de "Abril Despedaçado" filme de Walter Salles estrelado por Rodrigo Santoro, José Dumont e mais uma constelação enorme.

Lançado em 2001 o filme teve uma excelente repercussão mundial ganhando o Leão de Ouro no Festival de Veneza e, entre outras indicações, a indicação ao Globo de Ouro em 2002.

A trilha sonora assinada por Antonio é composta por 11 faixas e teve as participações especialíssimas de Siba (instrumentista cabeça do extinto Mestre Ambrósio) , Ed Côrtes e Beto Villares (convidados recorrentes nos trabalhos de Antonio).

Os nomes das faixas estão vinculados a elementos ou momentos importantes/marcantes do filme e todas se complementam magistralmente. Na terceira parte da entrevista linkada abaixo Antonio discorre sobre a concepção da trilha, genial!

Quem se empolgar corra atrás do filme que também vale muito a pena, fui!



Para Baixar e Sair Sacundindo: Sharebee - Antonio Pinto - 2001 - Abril Despedaçado






Postado Por Marcel Cruz

sábado, 3 de abril de 2010

Philip Glass - Dance Pieces

Há algumas semanas eu estava dando uma geral nos meus discos e me deparei com esse LP, no ato veio um monte de lembranças legais. Esse foi o pimeiro disco do Philip Glass que comprei isso deve ter sido em 1998/1999 mais ou menos. Lembro que junto com este também adquiri mais dois álbuns do mesmo compositor mas que não me agradaram muito na época e re-ouvindo hoje, ainda não agradam.

Philip Glass é talvez o compositor mais POP do gênero minimalista, gênero ao qual Glass não gosta muito de ser enquadrado. A produção de Philip Glass é intensa fato que gerou como consequência uma discografia gigantesca, segundo o que pude constatar em sua homepage cerca de 152 álbuns levam sua alcunha e como era de se esperar nem tudo é de fato bom de se ouvir.

"Dancepieces" é composto por 8 peças. As 5 primeiras faixas (Danças I, II, V, VIII e IX) que compõem o Lado A do elepê fazem parte de um conjunto de danças intitulado "In The Upper Room", coreografado por Twyla Tharp em 1987.

As outras três peças restantes compõem o Lado B do álbum e foram coreografadas por Jerome Robbins. Duas delas, "Rubric" e "Façades", já tinham sido lançadas anteriormente no álbum "Glassworks" de 1982 e a terceira, "Funeral", faz parte de um outro trabalho de Glass, a ópera "Akhnaten", lançada também em 1987. Aqui o conjunto recebeu o nome de Glasspieces.

Esse juntamente com "Glassworks" de 1982, "Passages" de 1990 e "Águas Da Amazônia" de 2006 estão entre meus álbuns preferidos de Philip Glass.




Para Baixar e Sair Sacundindo: Philip Glass - 1982 - Dance Pieces


Para Saber Mais: Glass Homepage - Bio P. Glass


Para Assistir e Sacundir: Dances I e II - Dances V, VI e VII - Dance VIII - Dance IX - Façades


Postado Por Marcel Cruz

quinta-feira, 25 de março de 2010

Ufaaa!!!! Acho que foi pegadinha! rsrs

Acho que foi alguma coisa temporária, fui dar uma olhada e está tudo certo, eu já tinha subido 20 arquivos rsrsrs.

Me desesperei a toa, na verdade não me desesperei, só tive uma constatação precipitada da situação. De qualquer forma meu muitíssimo obrigado pelas mensagens de apoio e pelos avisos de que já estava tudo em ordem!

Aliás, quero deixar meus agradecimentos pro George que deu a dica de uma opção que achei bem bacana, o link é o que segue:

http://www.multiupload.com/

Ele te da a opção de subir até 10 arquivos simultâneamente os quais estarão disponíveis em 8 hospedeiros distintos. Genial!!! Acho que o SHAREBEE vai dançar rsrsrs. Bom por hora é isso, mais uma vez meus sinceros agradecimentos a todos, valeu mesmo, e como não poderia deixar de dizer...


"Vamo que vamo que o som não pode parar!!!

Marcel Cruz

quarta-feira, 24 de março de 2010

Acho que aconteceu o que eu temia!

Olá meus queridos visitantes (e amigos) do Sacundin! Espero estar redondamente enganado mas ainda a pouco tentei acessar o hospedeiro WWW.SHAREBEE.COM e para minha surpresa o Google não localizou o site, fui dar uma checada nos links e... para minha surpresa o Google não conseguiu acessar nenhum! A mensagem mostrada é a de que a página não pode ser localizada, minha suspeita: Tiraram o SHAREBEE do ar! Ou algo do tipo aconteceu.

Bom todo esse rodeio é para dizer que praticamente todos os links contidos no Sacundin não mais existem (minha escolha pelo SHAREBEE era pela gama de opções que ele fornecia pois de uma só vez ele subia seu arquivo para 4/5 lugares diferentes). Terei de reupar todos os arquivos novamente, desde a primeira postagem! Trampo para caraaaaaaaaaaaaaleo!!!! Me fodi rsrsrsrsrs.

Meu pedido é o seguinte: Sejam pacientes e na medida que precisarem de algum álbum com urgência deixem comentário na postagem para que assim eu priorize os pedidos, ainda não sei qual hospedeiro usarei, acho que vou optar pelo Megaupload mas estou aberto a sugestões, acho que é isso. Apesar dos pesares e dos boicotes indiretos...

Vamo que vamo que o som não pode parar!!!!!!


Marcel Cruz

quarta-feira, 17 de março de 2010

Marcelo Torrone - Piano Works

Depois de ter mencionado esse EP na postagem anterior não poderia privá-los de conhecê-lo.

Piano Works é o primeiro registro fonográfico solo de Marcelo Torrone. Gravado na primavera de 1998 em Curitiba o volume é composto por 6 faixas, todas compostas e interpretadas por Marcelo Torrone, com exceção da sexta faixa, "Pequena Oração Da Meia Morte", que teve participação de Plínio Silva nas flautas e Cláudio Pimentel no violão. Essa composição ganhou letra de Cláudio e faz parte do álbum de estréia da banda curitibana "Plêiade".

Com pouco mais de 15 minutos de duração o EP deixa marcas já na primeira audição, "Som Tardio", faixa que abre o volume, chega dilacerando a alma criando uma atmosfera única que servirá de palco para a faixa seguinte se apresentar: "Minha Intenção Não é Nada Profética, Apenas Gargarejo Murmúrios", é uma montanha-russa com suas variações de andamento e dinâmicas muito bem trabalhadas.

A terceira faixa é a enigmática "Ponha as Mãos e a Cabeça Num Lago Gelado". Um turbilhão de dúvidas nos rodeiam, e as respostas são... ... ... Não há respostas!

Em "Quando as Manhãs Forem De Vidro", Torrone nos leva para um lugar nostalgicamente desconhecido e que é logo ali, não, espere aí, eu conheço esse lugar!... Ou não?

"Moedas de Açúcar", quinta faixa, é tão singela quanto o sono de uma criança, um sonho, um suspiro, um par de asas...

Finalizando o volume temos a já citada "Oração da Meia Morte".

Ah! A arte gráfica do EP para a edição digital foi criação minha. Acho que é isso, estou extremamente contente de proporcionar a vocês o prazer de apreciar esse disco! Espero que gostem tanto quanto eu.


Para Baixar e Sair Sacundindo: Marcelo Torrone - 1998 - Piano Works - Multiupload


Para Saber Mais: MySpace Marcelo Torrone




SacundinMail do Artista / Contato para shows: marcelotorrone@gmail.com + 55 41 9192 3340


Postado Por Marcel Cruz

quarta-feira, 10 de março de 2010

Wandula - Wandula

Se tem coisas boas na vida parte delas, com plena certeza, são as amizades que a gente cria ao longo do trajeto. Os amigos e suas valiosas amizades estão/estarão sempre lá!

Mais legal ainda é quando esses seus amigos são ultra fodões em alguma coisa, porque aí além do apreço da amizade você também é fã e ostenta a amizade com o maior orgulho. Fato que no meu caso é diretamente relacionado a essa turminha aí.

Em outubro ou novembro de 1998, não lembro ao certo, tive a sorte de conhecer o trabalho do pianista e compositor Marcelo Torrone. A pessoa eu já conhecia, mas apenas de cumprimentar ou de papos super rápidos, lembro que na época ele ia viajar e estava se desfazendo de alguns livros, comprei dele o "Mulheres" do Bukowski. Voltando ao som, lembro muito bem do momento em que ouvi "Som Tardio", foi nos estúdios da Rádio Educativa do Paraná e quem me apresentou o disco (um EP que tinha acabado de sair) foi Thaís Aguiar.

Aquele som realmente me pegou e meu contentamento foi maior ainda quando me dei conta de que quem tinha gerado tal composição era aquele figurinha cheio de sardas no rosto de quem eu havia comprado o livro. A partir daí acabei me aproximando mais e no ano seguinte, especificamente em Agosto de 1999, aconteceu o show de estréia de seu grupo o Wandula ("Música Desconhecida, Para Pensamentos Nem Tanto"). O show ocorreu no, temporariamente extinto, auditório Antonio Carlos Kraide, espaço da Fundação Cultural de Curitiba localizado próximo ao terminal do Portão.

Fui nos dois dias! rs

O álbum de estréia, foco dessa postagem, demorou um pouquinho a sair, foi lançado somente em 2002 e com várias participações bem legais. Hoje o grupo é bem maior, mas esse álbum foi gravado tendo como base apenas o trio formado por Marcelo Torrone, Edith Camargo e Cláudio Pimentel, 14 faixas que demonstram, boa parte das influências contidas no grupo, influências extremamente refinadas e ecléticas.

Informações mais aprofundadas a respeito do grupo, da nova formação, contato para shows, agenda e afins vocês encontrarão nos links deixados abaixo, os links de videos são referentes ao disco mais recente (La Recreation) e não ao da postagem.

Agora é colocar pra rodar e se deleitar ao som de Wandula.



Para Baixar e Sair Sacundindo: Wandula - 2002 - Wandula
- Multiupload


Para Saber Mais: Homepage Wandula - MySpace - Entrevista 1 - 2


Para Assistir e Sacundir: Ciclojam - Waiting And Falling + Entrevista - Hors


Postado Por Marcel Cruz