quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Gilberto Gil - Gilberto Gil

1969 foi de fato o ano da psicodelia! Gil, Caetano, Gal e Os Mutantes não deixariam de contribuir para engrossar o caldo. O tropicalismo em si já tinha uma verve de psicodelia, para aderir de fato era só um passo, e, meus caros, nesse álbum sobrou maestria.

Na verdade o teor de psicodelia impresso nesse álbum, deve-se em grande parte a Rogério Duprat, pois Gil, que saía do país para o exílio, teve conhecimento somente das bases de voz e violão que entregara a Duprat antes da partida. Arranjos e direção musical sob a batuta de Duprat com uma mãozinha de Chiquinho de Moraes. Melhor impossível!

Duprat requisitou um time de primeiríssima grandeza. Lanny Gordin ficou responsável pelas guitarras, Wilson Das Neves pela Batera, Chiquinho de Moraes piano, órgão e arranjos de metais e no baixo Sergio Barroso. O álbum ainda conta com uma faixa declamada onde Gil divide o vocal com o poeta e Designer Gráfico Rogério Duarte (criador da capa) ,e é sem dúvida o ponto alto da discografia "Gilbertiana".

O repertório do álbum é formado por "apenas" 9 faixas. É desse disco a clássica "Aquele Abraço", única faixa realmente conhecida do volume. As demais faixas caíram num anonimato profundo, com exceção de "Cérebro Eletrônico", regravada por Marisa Monte no seu "Barulhinho Bom", lançado em 1996 e, "2001", que por ser dos Mutantes é mais conhecida. Bom, nos restam aí mais 6 jóias raras.

O Lado A abre com a já citada "Cérebro Eletrônico", a primeira desconhecida é a excelente "Volks-Volkswagen Blue", que Gil regravaria numa versão em inglês dois anos depois em seu primeiro álbum gringo, depois vem "Aquele Abraço". Em seguida temos "17 léguas e meia", composição gravada originalmente por Luiz Gonzaga, numa versão que é um misto de Funk e Baião, costurado pelos geniais riffs de Lanny Gordin e, fechando o lado A, temos "A Voz Do Vivo", composição de Caetano Veloso, que no ano anterior tinha feito "A Voz Do Morto", aqui outra vez Lanny Gordin rouba a cena.

O Lado B abre com "Vitrines", uma das mais genias composições de Gil, sem falar que a concepção de Duprat pro arranjo foi/é espetacular, sou fanático por essa. A seguinte é " 2001", composição de Tom Zé e Rita Lee, que aqui ganha uma roupagem bem peculiar e nem sequer faz lembrar a versão dos Mutantes, e olha que quem arranjou a dos Mutantes também foi Duprat. Outras duas fecham o volume, a incrível e lisérgica "Futurível" e a ultra-lisérgica "Objeto Semi-Identificado". Lembram que na postagem do "Sgt. Pepers" eu acrescentei uma faixa do "White Album" (Revolution 9) e comentei que ela influenciou o tropicalismo, e que isso apareceria neste álbum? Pois bem, o reflexo de "Revolution 9" é "Objeto Semi-Identificado". MegaUltraPowerExcelente! Composição de Gil, Rogério Duarte e Duprat. Rogério Duprat foi pro além genial nessa.

Como bônus acrescentei mais 3 faixas que não constam na versão original. São elas: "Omã Iaô", lançada como lado B do compacto de "Aquele Abraço" no mesmo ano. Na sequência coloquei uma outra versão de "Aquele Abraço" que tem quase 2 minutos a mais de improviso de Gil no final, e pra fechar o pacote incluí uma faixa que na verdade deveria ter ido no disco anterior dele, "Queremos Guerra", composição de Jorge Ben, que Gil gravou acompanhado por Jorge e Caetano para um álbum de festival em 1968.

Sacundin é o que não falta nesse disco EX-CE-LEN-TE!!! É isso aí!

"...Eu gosto mesmo é de comer com coentro, uma moqueca, uma salada, cultura, feijoada, Eu gosto mesmo é de ficar por dentro, como estive na barriga de Claudina, uma velha baiana cem por cento..."



Para Baixar e Sair Sacundindo: Gilberto Gil - 1969 - Gilberto Gil



Postado Por Marcel Cruz

4 comentários:

Spoladore disse...

Valeu! Valeu muito!

Vovó Conga disse...

Aí, Marcel, sempre visito seu blog e baixo coisas interessantíssimas! Também tenho um blog, que ainda está no comecinho de suas atividades, mas se quiser, dá uma comparecida lá. Abraço!

cozinhadavovoconga.blogspot.com

Drews disse...

sacundinmentando: esse album é de lamber os beiços!!
Obrigada pelo presente de natal, ano novo e aniversário!
Beijo grande

Antonio Duarte disse...

Obrigado, muito obrigado.