terça-feira, 23 de setembro de 2008

Tim Maia - Tim Maia 1976

Esse é o último disco de Tim Maia que me faz a cabeça do início ao fim. Lançado em 1976, funcionou como uma espécie de álbum de "retorno". Os álbuns anteriores acabaram ficando restritos aos seguidores da seita "Universo Em Desencanto", e devido ao fato de que as letras só falavam da doutrina Racional, era visto, pelos não seguidores, com enorme preconceito na época (quem é que queria ficar ouvindo papo de cultura Racional?), mas enfim, hoje tem muito neguinho que se arrepende amargamente de não ter feito estoque daqueles volumes rsrsrsrs. O fato é que Tim retornou com tudo e fez um dos seus melhores trabalhos.

Onze faixas excelentes, todas de extremo bom gosto, geniais. Merecem destaque:

"É preciso Amar", a segunda faixa do álbum, nela Tim criou um clima agradabilíssimo sem deprê e com gosto de... "acho que vou ouvir essa de novo", na seqüência temos "Rodésia", onde Tim mostra seus dotes de flautista e faz uma espécie de resposta pra "Guiné Bissau, Moçambique e Angola" do Racional Volume II, agora já não está tudo "numa relax, numa traqüila, numa boa"... nada de complacência aqui, em seguida temos a suingadíssima "Marcio Leonardo e Telmo", com sacadas excelentes na letra e um groove inigualável, em "Sentimental", faixa que vem na sequência, Tim desabafa com: "... Sou sentimental e ninguém percebe, deste jeito vou acabar me dando mal...", o groove é animal, essa faixa junto com a seguinte: "Nobody Can Live Forever"(que tem uma letra extremamente crítica aos preceitos de certas crenças), estão entre minhas preferidas, na verdade essa sequência, a partir de "Marcio Leonardo e Telmo", já vale o álbum todo, é a santíssima trindade do volume.

Tem mais quatro que são fuderosas também, são elas: "Manhã de Sol Florida, Cheia De Coisas Maravilhosas" e "Brother, Father, Sister and Mother", ambas com arranjo de cordas muuuuito bom, feito por Miguel Cidras. Em seguida temos a divertidíssima: "Batata Frita, o ladrão de bicicleta", que só pelo nome já vale a pena ser ouvida, e a última que dou destaque e que fecha o volume é "The Dance Is Over" arranjada com maestria por Arthur Verocai e Tim.

Já que esse é o último álbum do Tim que posto, não poderia faltar os extras, acrescentei ao volume mais duas faixas bônus. Ambas foram lançadas, apenas em compacto, nos idos de 1977. A primeira é a genialíssima "Ela Partiu", que foi utilizada nos anos 90 pelos Racionais Mc's como base para uma de suas composições, e a segunda é o samba-Funk "Meus Inimigos".

Bom, com isso encerro a fase Tim do Sacundin! rsrs.

"... that's no God tha's no Heaven, that's no Devil that's no Hell, don't worry, don't worry, play your music, play your music..."


Para Baixar e Sair Sacundindo: Tim Maia - 1976 - Tim Maia


Postado Por Marcel Cruz

8 comentários:

Leonardo Botti disse...

Simplesmente sensacional o seu blog! Baixei todos Jorge Ben e Tim Maia... Valeu por todos os extras! Parabéns!

Michelle Nasser disse...

Quem disse que eu me preocupei em analisar o Português ?!? É simplesmente fantástico!

Mariana disse...

eu nem preciso mais agradecer! pura transmissao de pensamento! massa!

D.Vyzor. disse...

Finalmente descolei esse em vinil Marcel.
Condicao esta otima, e ja esta sendo executado por ae.

Abracao.

Sid disse...

Esse disco é realmente um dos melhores de Tim, o groove estava perfeito, gordo e pesado.
Sem falar no vozeirão que está tinindo.
Não sabia que era o tim que tocava flauta em Rodésia.

Lucas Ajuz disse...

http://jornale.com.br/horasonora/?p=4593

Salve irmao!! paraben pelo blog!!

João&Maria disse...

ÓTIMO BLOG, TO AQUI OUVINDO RODÉSIA, MASSA!!!!!!

Anônimo disse...

Valeu mano!
Não conhecia esse album, só algumas músicas dele avulsas. Baixei aqui a mais ou menos um mês e tô curtindo muito. E vc tem razão, os albuns que se seguiram após este já não são 100%.
André Macleuri