segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Gal Costa - Gal

Dois álbuns lançados num mesmo ano. Gal entrou em 1969 com os dois pés e dê-lhe porrada! Lançado no final de 1969, esse segundo álbum solo de Gal vem recheado de psicodelismo, a capa, assinada por Dicinho já dá indícios do que tem nos sulcos do vinil. É, sem dúvida, o álbum mais visceral que Gal já fez, e a loucura não veio sozinha. Assinando os arranjos , ele, sempre ele, Rogério Duprat! E como banda de apoio os geniais Lany Gordin, que nesse álbum foi o responsável por: Baixo, Guitarra Base e Guitarra Solo, Eduardo Portes de Souza e Diógenes Burni Filho na bateria e Jards Macalé que, além de tocar violão, da uma enorme contribuição nos vocais em quase todas as faixas.

O álbum abre com a emblemática "Cinema Olympia", que tinha sido registrada por Caetano no lendário show, que depois virou disco, "Barra69" e, numa versão que serviu de guia pra gravação de Gal, em seguida temos uma composição de Jorge Ben chamada "Tuareg", essa faixa fez parte da trilha sonora do filme "Roberto Carlos e o Diamante Cor-De-Rosa", segundo longa do Rei lançado no ano seguinte (1970). A terceira faixa inicia com um solo de Lany que vem esmirilhando tudo, a composição é de Gilberto Gil e se chama "Cultura e Civilização", letra e música espetaculares. Quem aparece novamente é Jorge, Salve Jorge! Gal canta acompanhada por Gil e Caetano a excelente "País Tropical", hit absoluto de 1969 numa roupagem pra lá de alto-astral, quem ouve não faz idéa do clima tenso pré-exilio que pairava no ar, Gil rouba a cena e dá um show nos improvisos vocais. A canção seguinte foi composta por Roberto e Erasmo Carlos e feita sob medida para a musa da tropicália, o nome não poderia ser outro: "Meu Nome é Gal".

Gil aparece assinando mais duas composições: "Com Medo, Com Pedro" e "Objeto Sim, Objeto Não", a que mais gosto do álbum, ambas ultra psicodélicas e geniais, visceralidade é a palavra de ordem.

Para complementar Gal também grava, com participação de Jards Macalé, "The Empty Boat", composição de e gravada por Caetano Veloso no mesmo período.

Já que novamente tocamos no nome de Macalé é justamente ele e Capinam que assinam a faixa que fecha o volume "Pulsars e Quasars", tão doida quanto "Objeto Sim, Objeto Não", na verdade é difícil eleger qual delas seria a mais doida de fato, rsrsrs. Acho que é isso! Apenas uma palavra pro disco: GE-NI-A-LÍS-SI-MO!

Ah! Lany Gordin definitivamente é um show a parte!


"...A cultura, a civilização, elas que se danem, ou não..."




Para Baixar e Sair Sacundindo: Gal Costa - 1969 - Gal


Postado Por Marcel Cruz

4 comentários:

Murilo disse...

valeu demais!

Julia disse...

Olá

Tenho um blog de cultura e achei o seu por ai, pelo blogspot. Quero saber se posso colocar o link do seu lá no meu que é o www.culturafazdiferenca.blogspot.com

Adorei!
Ana

Ana Carolina disse...

Oi, usei email errado no anterior, da minha irmã. Então quero saber se posso linkar seu blog no meu blog, que é sobre cultura em Ctba

culturafazdiferenca.blogspot.com

adorei

absolen disse...

Tava procurando ele há um tempo já, mas só conseguia algumas músicas separadas como "Cultura e Civilização", "Tuareg", "Meu Nome é Gal" e "Com Medo, Com Pedro".
Valeu! Parabéns pelo blog!